Tarifa Branca – Entenda como funciona

Está em vigor desde janeiro a opção da Tarifa Branca para quem consome mais de 250 quilowatt-hora por mês (KWh/mês). Aprovada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), ela sinaliza aos consumidores a variação do valor da energia de acordo com o dia e o horário do consumo.

O modelo existe desde 2018, mas era só para consumidores a partir de 500 kWh por mês. Agora, casas e pequenos estabelecimentos comerciais que consomem a partir de 250 kWh (quilowatts-hora) também podem optar pelo sistema.

Com as novas regras, nos dias úteis o preço da energia será dividido em três horários: ponta, intermediário e fora de ponta. O horário de ponta ficará com a energia mais cara e terá duração de três horas. A taxa intermediária será uma hora antes e uma hora depois do horário de ponta e também terá a energia mais cara. Os horários fora de ponta ficam então mais baratos.

Horários

Entretanto, é muito importante que o consumidor, antes de optar pela tarifa branca, conheça seu perfil de consumo. A tarifa branca não é recomendada se o consumo for maior nos períodos de ponta e intermediário e não houver possibilidade de transferência do uso dessa energia elétrica para o período fora de ponta. Nessas situações, o valor da fatura pode subir. Por isso, é bom ter atenção ao solicitar a mudança.

Para aderir à tarifa branca, os consumidores precisam formalizar sua opção junto à Cetril. Quem não optar por essa modalidade continuará sendo faturado pelo sistema atual.

Da mesma forma que é possível aderir, se o consumidor não perceber a vantagem, ele pode solicitar sua volta ao sistema anterior (tarifa convencional). A Cetril terá 30 dias após o pedido para retornar o consumidor ao sistema convencional. Caso queira participar de novo da modalidade tarifária branca, há um período de carência de 180 dias.